E aí galerinha tudo certo com vocês? Final do ano chegando e o ritmo de leitura tenta acompanhar esse frenesi então se preparem para uma chuva de resenhas até o dia 31! Hoje trago uma típica tragédia grega, só que nacional e com muitas surpresas nem tão agradáveis assim, preparados?

Silene é a única esperança que o contínuo Noronha tem de ver uma de suas filhas casada. Para preservar a pureza e a virgindade da jovem e financiar o futuro casamento, suas quatro irmãs recorrem à prostituição.

Quando Silene faz uma revelação inesperada, a imagem de harmonia que a família se esforçava para manter se estilhaça, desencadeando sentimentos perversos e situações extremas que ora beiram a tragédia, ora o absurdo. Com uma habilidade genial para ironizar e satirizar os desvios comportamentais da sociedade, Nelson Rodrigues criou um teatro único e universal que vem atravessando décadas com a mesma vitalidade. Para celebrar o centenário do dramaturgo, a Editora Nova Fronteira relança suas 17 peças, uma obra essencial que inaugurou e consolidou o modernismo no teatro brasileiro.

~

O que falar de um autor que gosto tanto e há tanto tempo estive longe de suas obras? Chocado pode ser um estado de espírito permanente no que se referem as histórias de Nelson, que longe de ser o objetivo, ainda assim os temas abordados e as direções que são tomadas muitas vezes tendem ao absurdo e nem é questão de estar acostumado ou não ao autor, sempre virá uma surpresa!

Com essa peça não foi diferente. Ele brinca com a boa moral e os bons costumes que eram muito valorizados na época em que foi escrita, e que a virgindade de uma mulher era algo a ser levado em consideração, pureza em primeiro lugar. A partir disso a trama se desenvolve e já começa com transgressões das outras irmãs não-puras que se prostituem em prol da única que ainda não casou e é tratada como um anjo por todos da casa. O pai acredita que há uma maldição na família visto que nenhuma das irmãs se casou e agora só resta uma chance de manter o "nome limpo" perante a sociedade.

via GIPHY

Temas como prostituição, gravidez na adolescência, adultério (se não tiver isso certamente não é Nelson), relacionamentos abusivos, um personagem homossexual e teve até espaço para o espiritismo, com a incorporação dos que já se foram. A história parece simples mas o desenvolver é tão complexo que fica difícil de falar sobre tudo sem esquecer nenhum detalhe, então para melhor entendimento vou me ater á história de Silene.

O título da peça é explicado e causa certa indignação mas calma, é só uma história inventada. Personagens muito bem construídos e com uma certa "cólera" o famoso sangue no olho que deixam tudo mais crível nos fazendo passar raiva e torcer por alguns, esse é o poder de Nelson que brincava com o cotidiano virando-o de ponta cabeça além de nos apresentar uma nova faceta da sociedade de modo sarcástico e descarado. Impossível não se apaixonar pela obra desse homem.

Sem sombra de dúvidas que leva 5 estrelas! Apesar de gostar demais, não recomendo a todos, ainda mais quem tiver estômago fraco ou seja "da moral e bons costumes", aos demais podem devorar numa sentada e apreciar uma bela tragédia familiar em pleno período de festas.


Extras:

Existe uma adaptação cinematográfica de 1980 com Lima Duarte, Antônio Fagundes, Ary Fontora e Luiz Fernando Guimarães no elenco, deixo abaixo essa obra prima para que vocês possam ter noção do que falei pois é bem fiel á obra e vale a pena ser assistido também.

0 Comentários